Carregando...
JusBrasil - Notícias
27 de novembro de 2014

Nunca vi animais tão apáticos, diz Luisa Mell sobre beagles resgatados

Publicado por Agência de Notícias de Direitos Animais - ANDA - 1 ano atrás

LEIAM 2 NÃO LEIAM

Uma das primeiras ativistas a serem identificadas pela Polícia Civil na invasão ao Instituto Royal, em São Roque (SP), a apresentadora de TV Luisa Mell diz ter experimentado o "pior momento" de sua vida nas horas anteriores ao resgate dos cães da raça beagle, diante de rumores de que os animais seriam mortos. Após levar uma fêmea para casa, a apresentadora afirma que os cães utilizados em pesquisas no instituto apresentam diversos distúrbios de personalidade.

"O que mais me choca é a maldade humana. É horrível ver a apatia desses animais. Sou uma pessoa que resgata animais toda a semana, tenho experiência nisso, e nunca tinha visto animais tão apáticos", dispara a apresentadora, cuja carreira é voltada para a defesa dos direitos dos animais.

"A gente se aproximava deles e eles se encolhiam, quando viam luz forte entravam em pânico. Eles têm uma lágrima amarela saindo dos olhos, um cheiro que não sei como explicar, centenas de furos perto dos focinhos, uma sensibilidade muito grande perto dos olhos. Eles têm medo que os peguem no colo, têm pânico das pessoas. Quando são pegos, ficam imóveis, como cobaias", relata Luisa. Segundo a apresentadora, nem sua veterinária sabe a que tipo de procedimento a cadela que ficou com ela foi submetida. "Ela tem uma cicatriz, como se tivessem tirado um órgão dela."

A apresentadora diz que já tinha conhecimento de denúncias de maus-tratos a animais do Instituto há mais de um ano, quando foi aberta uma investigação do Ministério Público. Há cerca de duas semanas, ativistas que haviam se acorrentado em frente à sede do centro de pesquisas procuraram Luisa, pedindo seu apoio.

Naquela semana, o prefeito de São Roque, Daniel de Oliveira, convocou uma reunião entre ativistas e membros do Instituto Royal, mas os representantes da entidade não teriam comparecido, na versão da apresentadora. "Eles disseram que nunca foram procurados para conversar, mas isso é mentira. Ele se negaram a sentar com a gente e o prefeito, saíram escondidos", acusa Luisa.

Momentos de tensão

Na semana seguinte, Luisa diz que foi procurada novamente pelos ativistas, após rumores de que os animais seriam retirados do Instituto Royal. Ela voltou para a cidade com seu grupo Emergência Animal, e convocou apoio de voluntários pelo Facebook. Ela diz que tentou negociar durante toda a noite de 17 de outubro, sugerindo a criação de uma comissão "para entrar (no local), fazer uma análise e acalmar a população". "Mas não tinha ninguém com quem conversar, nem delegado, nem Ministério Público, foi uma omissão total do poder público", reclama a apresentadora.

Nesse meio tempo, ainda segundo Luisa Mell, correu entre os ativistas o boato de que os cães seriam retirados do local ou que seriam mortos naquela noite. "Foi quando começamos a escutar os gritos desesperados lá dentro, gritos e choros. Foi o pior momento da minha vida, de ver aquilo e de não poder fazer absolutamente nada" , relembra. "Daí divulguei no meu Facebook e muita gente começou a aparecer por lá", conta.

A apresentadora, no entanto, diz que não presenciou a invasão ao Instituto Royal. Luisa conta que, naquele momento, ela tentava registrar uma ocorrência na delegacia do município, o que, segundo a apresentadora, não foi possível porque "o delegado não estava". Ao voltar à sede do centro de pesquisas, Luisa se deparou com os ativistas e policiais militares. A apresentadora diz ter acreditado que a Polícia Militar estava no local para ajudar no resgate aos animais.

"Quando eu voltei para o local, a polícia estava junto. As pessoas entravam e saíam, passeando. Mas quando viram os maus-tratos, começaram a abrir os canis, e a polícia estava junto. E foi isso que eu entendi, que a polícia estava lá por causa dos maus-tratos. Eu só não voltei na delegacia para fazer um boletim de ocorrência por maus-tratos porque não tinha delegado na delegacia" , diz Luisa, que questiona as ameaças de que os ativistas sejam indiciados por furto. "Se fosse em um supermercado e as pessoas tivessem entrado e pegado as coisas com o policial ao lado, ele não teria evitado o crime? Mas eles estavam junto, tem alguma coisa de errado nisso", completa.

Uso de dinheiro público

Prometendo seguir pressionando as autoridades por uma investigação no Instituto Royal, Luisa Mell afirma que a briga ainda não acabou. Ela acusa a entidade de usar dinheiro público para realizar pesquisas e vendê-las a empresas privadas, e não poupa de críticas nem mesmo o Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea), órgão do governo federal responsável pela fiscalização de pesquisas animais.

"Por que eles não querem divulgar a lista de clientes? Se eles estão trabalhando na cura do câncer, que estudos são esses?", indaga Luisa, que critica a tentativa de criminalizar o movimento."Querem fazer parecer que são uma meia dúzia de malucos, mas não é, é uma sociedade que se deu conta do que estava sendo feito", diz a apresentadora.

Luisa acusa o coordenador do Concea, Marcelo Morales, de advogar em favor do Instituto Royal. "Eles (Royal) recebem dinheiro público, o que é questionável, porque desenvolvem e vendem para clientes, e essa lista é confidencial - o que é totalmente questionável -, eles se negam a mostrar. O Marcelo, do Concea, admitiu um crime, porque diz que se abolíssemos animais, teríamos que importar tecnologia, e a lei é clara: se existem testes alternativos, usar animais é crime. Ele é pago com dinheiro público e atua como representante da Royal, é um absurdo, eles estão tentando fazer uma confusão na cabeça das pessoas", acusa a apresentadora.

Agência de Notícias de Direitos Animais - ANDA

Agência de Notícias de Direitos Animais - ANDA

O Maior Portal de Notícias sobre Animais do Mundo

A imprensa não apenas informa. Ela forma conceitos. Modifica ideias. Influencia decisões. Define valores. Participa das grandes mudanças sociais e políticas trazendo o mundo para o indivíduo pensar, agir e ser. É justamente este o objetivo da ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais: informar ...


0 Comentário

Faça um comentário construtivo abaixo e ganhe votos da comunidade!

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "gritar" ;)

ou

×

Fale agora com um Advogado

Oi. O JusBrasil pode te conectar com Advogados em qualquer cidade caso precise de alguma orientação ou correspondência jurídica.

Disponível em: http://anda.jusbrasil.com.br/noticias/112002052/nunca-vi-animais-tao-apaticos-diz-luisa-mell-sobre-beagles-resgatados